Páginas

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Eu não sabia

Eu não sabia que um fotógrafo - daqueles que todo jornalista da "grande" imprensa e em atividade (não é mais o meu caso) conheceu na festa de um colega e com quem trabalhou, tomou cerveja e dividiu alguma "boa" história - morreu há pouco tempo. 

Eu não sabia que ele tinha menos de cinquenta anos. Eu o encontrei uma única vez. Foi em uma reunião na casa de um fotógrafo. Eu fui parar nessa reunião porque conhecia um dos convidados, também fotógrafo, que era amigo de um amigo do dono da casa. Não conhecia mais ninguém. Era uma reunião de confrades, de compadres de profissão. Eu não sabia que todos ali o veneravam. Que ele era a "estrela" da noite. Conversa ia, conversa vinha, alguém comentou alguma coisa sobre o escritório dele, que ficava no mesmo prédio onde o Paulo Mendes da Rocha, vencedor do prêmio Pritzker, trabalhava.


Ele era um fotógrafo conhecido, premiado, respeitado. Eu não sabia. Ele morreu. Eu não sabia. Mas, de alguma forma, eu sei que foi bom tê-lo conhecido, mesmo não sabendo quem ele era.