Páginas

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Oceano

Entre um livro e um filme, fico com o livro. Se for de poesia e de um autor do século XIX, melhor ainda. Por mais elaborada e bem feita que seja uma única cena, não supera a imaginação e as infinitas sensações que um verso é capaz de despertar. Ler um poema é como flutuar no oceano, mas sem saber que é um oceano, pois é como estar em vários mundos ao mesmo tempo, e esses mundos não têm um nome ainda, até que alguém que tenha chegado até eles ouça sussurros e tente traduzi-los em palavras.

Nenhum comentário: